quinta-feira, 6 de março de 2014

Pensamento para o Ano Novo - pós carnaval 2014

Foto. Alexandre Durão

Justiça e equidade tornaram-se relativos desde que a humanidade passou a perceber-se portadora de inteligência racional.
A posse, a propriedade, o egocentrismo transformaram os humanos em algozes de todos os seres viventes no Planeta Terra.
A preguiça é a mãe da escravidão.
A vaidade, a mãe do ego.
E o ego, o pai de todas as falhas de caráter, o assassino da ética e defensor das morais.
Com que direito os herdeiros de Davi expulsaram os Cananeus de suas terras e os exterminaram?
Com que direitos os colonizadores se dizem descobridores das Américas?
Com que direito os arianos consideraram índios nativos como bugres sem alma?
Com que direito, por exemplo, as leis se impõe sobre valores impostos por grupos que se permitem a condição de superioridade sobre os demais?
Inteligência superior?
Mentira. As inteligências desenvolvem-se em vários níveis. Do racional, ao emocional, ao religioso e em várias condições impostas desde o nascimento.

Os incomodados que se mudem?
Não!! Os incômodos, evoluam, melhorem-se, percebam-se!!
São essas as condições da nova era da civilização espiritualista.


2 comentários:

Zaida Machado disse...

Muito bom, Josevita! Gostei. Parabéns pelo blog. Zaida.

Mariú Gondim disse...

Se é candidata, voto em você!
Não dá pra consertar os erros cometidos no passado, devido à visão destorcida do mundo. Mas já é tempo de não repetir esses mesmos erros. Certíssima!
Existem diversas inteligências. Pesquisadas, testadas, catalogadas. E outras tantas a serem descobertas, mostrando que somos iguais nas diferenças. E isso é bom. Ruim é ser diferentes na pseudo-igualdade.