segunda-feira, 4 de outubro de 2010

O preço da dignidade

Sou uma Tapety, e me candidatei ao cargo de Deputada Estadual pelo Piauí. Não aceito certos posicionamentos político-administrativos em minha cidade, em meu Estado, no Brasil. Nepotismo, clientelismo, fisiologismo, centralismo autoritário e aparelhismo têm sido marcas dos governos brasileiros. Tudo pela manutenção do poder!  Visitei outros lugares pelo mundo. Conheço o Piauí inteiro. O Brasil tem condições de ser melhor que a maioria deles. Nós podemos muito mais. O mundo quer investir no Piauí, mas os políticos querem que permaneçamos na miséria. Esperar por cada eleição para aparecer fazendo favor. O povo brasileiro aceitou o condicionamento e preferiu se acomodar à festa e à mentira. Prefere contentar-se com as migalhas que os poderosos derrubam de suas mesas gordas e ricas.
E esses maus elementos têm usado a miséria que ele próprio ajuda a manter e, através dela, se mantém confortáveis em suas ricas mansões, carrões e aviões. Sobrevoam seus currais e do alto, nem precisam sentir o suor, a sede, a melancolia conformada de tanta gente sofrida.
Voltei para casa a sonhar meu Brasil Justo. Vislumbrei grandes projetos e grandes sonhos: desenvolvimento sustentável para o semi-árido, com respeito ao patrimônio ambiental e à nossa gente; parcerias internacionais e possíveis grandes investimentos de pessoas fortes em consciência ecológica e cuidado com o Planeta Terra.
Conheci uma sociedade de voto livre e independente.
Sei que é possível, por que o mundo está acordando.
Sonho política descente também para o Brasil.
Queremos uma sociedade justa. Direitos iguais.
Oportunidades iguais para todos.
Educação nos levará a isso.
O Piauí é um Estado rico e já foi vendido baratinho. O Brasil tem sido vendido baratinho. Temos sido roubados em nossa dignidade, em nossas riquezas desde o descobrimento. Cada novo poder que se estabelece espolia mais e pior. Não podemos permitir tantos absurdos. Negociações de bastidores para aprovação de investimentos e recursos, negociação de propinas e participação em lucros ou sobras de "caixas dois" é o que tem sido feito. Todo brasileiro sabe.  Não consigo fechar os olhos para esta condição de iniquidade. Quero política séria. Exijo seriedade. É isso que defendo.
Não é possível que tanta corrupção permaneça impune. Todos os sinais claros de corrupção em todos os níveis governamentais e todo o processo político brasileiro são uma vergonha para este país. Reeleição dos mesmos grupos que usam a máquina administrativa são uma afronta à nossa inteligência. Presidente como garoto propaganda de candidatos, governadores usando toda a máquina e apoiados pelos seus grupos econômicos transformaram a elite governista numa “Cosa Nostra Brasileira”.

A organização construída em rede de corrupção em todos os níveis e órgãos governamentais compram gente simples e compram ambiciosos. A dependência construída com a manipulação imoral da pobreza através da distribuição vergonhosa de bolsas-esmola e propaganda maciça dos programas populistas governamentais denotam claramente a intenção enganadora e ilusória de manutenção do poder a qualquer custo. As pessoas são tratadas como um simples número no título de eleitor e servem apenas para justificar os desvios de dinheiro, desvios de conduta, sérios desvios éticos.

A fome, a miséria, a moradia, o abandono e a doença - reflexo da sonegação aos direitos sociais assegurados pela Constituição – são utilizados para compra e manutenção do poder. Vi muita coisa triste , total abandono durante os últimos 60 dias de peregrinação pelo Piauí.
Nossas riquezas têm sido negociadas de forma exclusa. Não podemos aceitar que o Piauí inteiro seja rateado entre grandes empresas multinacionais que se encarregam até os próximos 30 anos, de dizimar nossa fauna, acabar com nosso bioma e transformar nosso Estado, de Parnaíba à Corrente, em grandes desertos ou imensos panos monocultores sem qualquer preocupação com as novas gerações. Poti, Parnaíba , Canindé foram vendidos e devastados. 
Mesmo nosso pequeno Mocha - berço do Piauí – tem sido extinto deliberadamente. Por total falta de consciência e falta de respeito à história, à cultura e aos referenciais mais cultuados pela comunidade que o margeia. As áreas que devem ser tratadas como parque ambientais urbanos estão sendo ainda mais agredidas com grandes obras, como se todo o Vale entre Montanhas de Oeiras tivesse que ser totalmente devastado rápido e avidamente. Oeiras tem um imenso potencial de desenvolvimento: morros lindos e pontos turísticos maravilhosos dentro da área urbana, mas não tem recebido o devido respeito. Os morros e riachos estão sendo invadidos e depredados. Já fomos celeiro de escravos, celeiro de gado de corte, caprinos. Cajus, carnaubeiras e agricultura já são patrimônio nosso. Nossa gente pode muito mais. Cultura e educação cultivadas serão os elementos de libertação real de todo o Piauí. Do  Brasil.

Esse é o Brasil que não se vê na  TV: gente esquecida em locais tão remotos, sem acesso ainda à civilização ou qualquer cuidado social. Gente em miséria absoluta nas periferias das grandes e pequenas cidades.
Os lixões são transferidos de um local para outro sem qualquer responsabilidade ambiental. Ao invés de gerar zonas de interesse social e promover diminuição da desigualdade através da valorização do solo urbano e da vida, todas as ações administrativas buscam apenas transferência de riqueza entre os mesmos poderosos  com maior empobrecimento do povo já empobrecido.
As nossas cidades precisam ser planejadas. Todos os desmandos estão causam danos irreparáveis. A sociedade, a cada dia mais se deteriora. Toda a violência, drogas, prostituição e condição de miséria decorrem da nossa irresponsabilidade, cegueira ou omissão. Não há poder  capaz de deter a degradação pelo sofrimento.
As decisões de grandes investimentos precisam ser tomadas com ampla discussão pública e pacto social. Pareceres técnicos devem ser  consultados e respeitados. Não é possível que, em pleno século XXI, diante de tanta modernidade, a nossa administração pública continue sendo feita como negócio de família. Os poderosos enriquecem e se mantém confortáveis em sua rica marginalidade. Os demais jamais terão chance. Mas a sociedade se rebela e um dia se revela. Desde o morro, ressurge da lama em que é jogada e toma, mata, se revolta. Isso é construído pelo poder. Não há  polícia nem lei capaz de conter tanto sofrimento reprimido.

Grande parte da população abaixo da linha de pobreza vem sobrevivendo das migalhas de esmolas governamentais. São os eleitores que mantém seus legítimos representantes no poder e precisamos exigir dignidade: emprego com salário digno. Oportunidade para todos e não para alguns apenas. Ajuda de custo não é salário! Em nosso país, fome e miséria são argumento de barganha de voto. Institucionalizar essa condição é crime, roubo, manipulação suja.

A educação e saúde pública de qualidade são direito de todos e não favor. Não admito que se continue fazendo do sistema público de saúde uma forma de controle eleitoreira. Isso é imensa falta de respeito à nossa condição de humanidade. Não se pode tolerar o desrespeito total aos professores – os maiores responsáveis pela grande revolução social. Conhecimento e consciência são os grandes agentes de transformação.

Tenho certeza de que política pode ser séria e responsável. 
A vida pública é prestação de serviço nobre. 
É possível fazer direito. Basta pensar no coletivo e trabalhar com seriedade.
 As mudanças ainda não acontecem por que o poder estabelecido não aceita nem permite a libertação que sonho para meu povo.
A escravidão continua.
O medo domina e escraviza tanto quanto o dinheiro e o poder.
Humilhação permanente reduz os seres humanos a objetos de manipulação ou um simples número no título de eleitor.
Os altos gastos de dinheiro em campanhas eleitorais milionárias demonstram o volume do desvio que enriquecem alguns e mantém a maioria muito pobre. Isso precisa continuar a ser fortemente combatido. É falta total de responsabilidade social! Total desrespeito ao ser humano! E pior: ainda na desculpa de caridade e cuidado com a pobreza. Isso é uso da condição de miséria e doença para barganha de voto. Maior a decepção, mais forte e vivo permanece o sonho.
Lideres governistas afirmam que todo este posicionamento se deve a ignorância política. Quem “não assina a carteirinha, não tem chance!”. Nessa afirmação fica claro objetivo de manipulação e desvio de conduta que o levaria ao poder e instituição de nova rede nepotista  e clientelista onde toda sua família  e financiadores se beneficiam dos desmandos disfarçados de obra social pela qualidade de vida. Os governos federal, estadual e municipal, deliberadamente, incharam a máquina pública com os comissionados e terceirizados com o objetivo único de construir uma maquina de controle e empreguismo baseado nas fichas de carteirinha, sem qualquer compromisso profissional.  Não se pode tratar a entidade pública como serviço de fundo de quintal.

Máquinas fenomenais para manter ascensão de corruptos e novos corruptores asseguram o poder aos grupos ascendentes. Isso é um ciclo vicioso sem fim. Isso que temos vivido sei que, intimamente, ninguém aceita. Apenas se sujeita, por medo ou conveniência.
É difícil admitir condição de escravidão e miséria.
Isso assusta.
Continuo a defender o profissionalismo na administração pública! Jamais pude participar de concursos públicos para minha categoria. Isso nem poderia ser questionável, mas sim, ser fato normal e corriqueiro. É questão ética e moral a promoção permanente de concursos e licitação para projetos arquitetônicos e todos os projetos de interesse social. Questão de justiça, isso precisa ser promovido pelo Governo e órgãos competentes para esta finalidade.
Decisões quanto ao uso do espaço público precisam ser tomadas com participação social real.
É doloroso o total desrespeito à cultura popular, à juventude e ao direito de nossos jovens crescerem com acesso à conhecimento, formação e informação sérios. Jovens deixados na rua tem se tornado, a cada dia, alvo fácil do tráfico de drogas, prostituição e pedofilia. Marginalizados pela sociedade corrupta e corruptora, são vítimas da podridão que o jogo político do poder mantém, com a justificativa de que para manter o poder, tudo vale. Povo que não respeita suas riquezas, sua gente, sua história jamais poderá conquistar respeito algum.
Acredito no Piauí.
Acredito nos piauienses.
Acredito no Brasil.
Nossa sociedade está em fase de evolução e mudança.
Todos esses mitos estabelecidos e os novos ricos do poder hão de cair.
A sociedade reagirá e se levantará contra tudo isso.
Culpa judaico-cristã, medo, divisão e cobiça podem muito pouco diante da verdade, quando a miséria se estabelece em nível físico e moral. Ferem a alma de forma irremediável.
Tenho dado minha contribuição e semeado um campo maravilhoso e os frutos hão de vir. Utilizei a tribuna eleitoral para manifestar minha indignação pela forma suja como a política brasileira tem conduzido o destino de seu povo. As batalhas pelo investimento em educação pública de qualidade, pela valorização da ética, moral, respeito e amor à condição humana continuarão: através de mim e de alguns que conseguiram receber minha mensagem.
Sonho nossa gente livre.      
Sonho nosso Piauí forte e desenvolvido, íntegro e promissor também para nossos netos. Sonho o Brasil integro e respeitado.
Sonhamos juntos, acontece.

2 comentários:

Ivette disse...

Continue o seu sonho Josevita, ele é justo e legítimo, e é unicamente nessa seara que os párias, essa escória humana, náo tem poder. Eles náo poderáo corrompê-lo, nem ameaçá-lo.
Continue seu sonho Josevita pq o Piauí precisa de sonhos assim, que antevejam um futuro melhor, uma cidadania consciente e liberta da cegueira e escravidáo histórica na qual se encontra.

"Há sonhos que devem ser ressonhados, projetos que não podem ser esquecidos..."

Que os cidadáos que confiaram no seu sonho, náo despertem até que ele se torne realidade.
Continue seu sonho Josevita, tal como Martin Luther King, que sonhou um dia que a justiça corresse como água e a retidáo como um rio caudaloso. Que o Riacho da Mocha seja tranformado quando seus sonhos se façam realidade.

Ideário Oeirense disse...

Que lindo, IVetinha! obrigada.A partir de novembro passarei a publicar novos projetos para Oeiras.
bjos
Josie