quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

controvérsias, contonos e conchavos

Oru am Sudá

Adriano Nunes


meio-dia.
telefone desligado.
trânsito entrando sobrando
no cérebro,
calor,
vontade
de
sair correndo, dizer
o que
era pra ser dito,
esquecer
o quanto já tinha ouvido,
querer mesmo um
fim

de semana, um dia
pra rever-
ter tudo em
bel-prazer...
mas por que esse pensamento
perigoso,
cisma clínica sexto sentido
intuição,
ciúme, ridículo
arquétipo de
distração
resolveu dar as cartas,
feito diabinho
soprando, na orelha,
o conselho,
a controvérsia,
a centelha
pentelha... a regra
afinal?

e o momento
suspenso-suspense supreende-me
de tal forma
que a vida deforma,
que o real
desbota-se...
enquanto calculo
a margem de erro
do engano:

o amor
é amor e
sem cláusulas,
contrato (esqueçamos
as fissuras,
as loucuras,
as brigas mais duras,
os vexames!)
o amor é
(um desacordo?)
exato.

Adriano Nunes

Um comentário:

Ideário Oeirense disse...

"a tela" - Para Oru.

tira
tala tinta trama
transa
transe se trans
forma
treino
fórceps
fôlego
fênix
moldura
e à mão a mão a mente o vão
receio
o que será
o belo
o feio
ou pintura pura?

o feito efeito parafuso
solto
o outro no outro um pouco
o corpo
a cor
o corte
a sombra
o som
surpreendido pelo eco
a soma
somática ao ver-

so: a tela
estende-se
além da janela azul fugaz
lilás luz lapso
lápis
lúpus borboleta em face
a fase
amá-la amar e amar
(eles e elas)
a esfera
do rascunho
do rabisco
do risco sem futuro previsto
da rasura
da borracha, cão de caça
à espreita do erro
o pincel.

a areia, o vaso
o espectro do aspecto
visualizado
o texto-imagem - um velcro -
miragem
o produto
despido
de si se despede
ártico-íris
cristal-lindo
retinindo:
susto na retina,
nervo óptico sorrindo...

o matiz
o ser mais que feliz
o triz
o toque
a quimera mágica
o suporte o tédio a morte
o que é mais forte?
o artista
o infinito
à risca
arrisca-se...
o molde.

De Adriano Nunes